terça-feira, 1 de novembro de 2011

Resenha crítica sobre o filme "Uma mente brilhante"

Por Alexandre Petillo



Eu não entendo de cinema. Quer dizer, não entendo como, por exemplo, um cineasta entende. Tenho ojeriza a críticas "técnicas" e "especializadas" de uma arte que é puro entretenimento – críticos de cinema são craques nisso, os caras se levam a sério. Eu, por exemplo, não consigo analisar um filme, assim como analiso uma partida de futebol. Não vejo as falhas na defesa ou os erros sutis na distribuição das jogadas, numa película.  Sendo assim, não sei afirmar, com total certeza, se um filme é realmente bom ou grandioso. 
Poderia partir dos princípios básicos e óbvios. Um grande filme é composto por boas interpretações, um roteiro objetivo capaz de prender a atenção do espectador durante toda a sessão, além de uma boa fotografia, cortes, tomadas...
Seguindo esses preceitos, "Uma Mente Brilhante" deveria ser um excelente filme. Ótimas atuações (Russel Crowe está perfeito, no que talvez seja a sua melhor atuação; Jennifer Connelly, espetacular), um bom roteiro (baseado na vida do matemático John Forbes Nash, esquizofrênico ganhador do prêmio Nobel) e boas tomadas, a cargo do diretor Ron Howard (Apollo 13).
Mas então, por que diabos eu não gostei desse filme? Talvez porque assim como com a música, só consigo gostar daquilo que me pega pelo estômago e me instigue a conversar sobre na mesa de jantar. O meu termômetro ainda é o frio na barriga – para desespero dos sisudos críticos de cinema. Por exemplo, achei "Vanilla Sky" sensacional. Apesar do seu final espalhafatoso, o filme me pegou, e não me preocupei em procurar os erros técnicos do filme somente para me sentir em paz com o "meu dever intelectual de formador de opinião". 
"Uma Mente Brilhante" promete ser o bicho-papão do Oscar desse ano. O filme é sob medida para os critérios (?) da Academia. É piegas, apela para emoções fáceis e narra a luta de um homem para vencer os obstáculos impostos pela sua própria mente. Vida e obra dignas de inspiração para nossas vidas rotineiras. John Nash (Crowe) é o dono da mente brilhante. Aluno de Princeton, Nash é um gênio que decide abandonar as aulas para se dedicar a busca obsessiva de uma idéia original. 
Depois de sofrer pressões por parte de seus colegas e professores, Nash, numa mesa de bar, consegue chegar a uma idéia original, contrariando os preceitos do mestre Adam Smith e 150 anos de estudos matemáticos. Com isso, Nash começa a trabalhar para o governo norte-americano, ajudando a decifrar padrões numéricos que indiquem posições de bombas, supostamente plantadas nos EUA pela União Soviética, durante a Guerra Fria. 
Ótimo com os números, mas péssimo nas relações humanas (consequentemente, o torna um péssimo professor), Nash acaba se envolvendo com Alicia (a bela Jennifer Connelly), muito mais por vontade dela. Logo no início do relacionamento, Nash envolve-se numa missão confidencial e começa a exigir demais de seu cérebro, apesar de genial, ainda humano. O matemático já não sabe o que é real e imaginário. Começa a viver, simultaneamente, com pessoas e situações que só existem na sua mente, mas seus olhos o enganam. 
Nash rui, junto com seu casamento e emprego. A partir daí, o filme mostra a difícil luta de um homem brilhante para ter de volta a sua mente, com a ajuda de Alicia, que só quer recuperar o seu amor. Embora não tenha vencido completamente a batalha, Nash conseguiu sobreviver com o problema ("basta ignorar os fantasmas. Assim como fazemos com nossos sonhos e pesadelos. É só ignorá-los que esquecemos"), estando apto para receber o prêmio Nobel em 97, graças à sua idéia original, que mudou os rumos da economia moderna.
Edificante, o filme, a história (mas ainda prefiro "Forrest Gump"). Mas, no final da sessão, não consegui achar uma nota maior do que 6. Para mim, apenas um filme comum com uma lição de vida. Não achei nada digno de um Oscar (apesar que esse prêmio não é traz prerrogativa nenhuma de qualidade). No máximo, bom para ser exibido no Super Cine, afinal, é baseado em fatos reais.

Fonte:http://www.screamyell.com.br/cinema/umamentebrilhante.html
Ficha Técnica
Uma Mente Brilhante
(A Beautiful Mind)
País/Ano de produção:- EUA, 2001
Duração/Gênero:- 134 min., drama
Disponível em vídeo e DVD
Direção de Ron Howard
Roteiro de Akiva Goldsman
Elenco:- Russell Crowe, Ed Harris, Jennifer Connelly, Paul Bettany,…



Estudante:Tayná Evelin de Araújo

Nenhum comentário:

Postar um comentário